Não basta planejar. É preciso executar bem a concretagem

Existe todo um protocolo a ser seguido para que a obra não venha a ter problemas estruturais e com patologias

Não basta planejar. É preciso executar bem a concretagem

Não basta planejar. É preciso executar bem a concretagem 1024 683 Cimento Itambé
Boa concretagem é uma combinação de especificações de projeto com execução correta no canteiro de obras.
 Crédito: Banco de Imagens

Boa concretagem é uma combinação de especificações de projeto com execução correta no canteiro de obras.

Crédito: Banco de Imagens

A qualidade da concretagem começa no projeto. É quando serão definidas as especificações que obrigatoriamente devem ser seguidas por quem vai executar a obra. Fatores como classe de resistência, módulo de elasticidade, classe de agressividade e fator água/cimento são fundamentais para designar a durabilidade da estrutura. Porém, não basta um bom projeto. “A concretagem também depende de contratar o concreto certo, solicitar o concreto certo e executá-lo corretamente no canteiro de obras”, ensina o engenheiro civil, e consultor em estruturas de concreto, Paulo Beghelli Caracik.

O especialista palestrou recentemente em web seminário da AECWeb, intitulado “Melhores práticas de planejamento e execução da concretagem em estruturas de concreto armado”. No evento, o engenheiro mostrou o quanto estão interligadas as especificações de projeto, a entrega e a execução, a fim de que essa etapa tão importante da obra não venha a ter problemas e resulte em futuras patologias. “O planejamento detalhado, a execução correta e o controle tecnológico rigoroso da concretagem são cruciais para assegurar a construção de estruturas de concreto com produtividade e qualidade”, resume.

Também é relevante que, ao longo de cada etapa da concretagem, os vários segmentos envolvidos não extrapolem suas funções. “O que é do projetista é do projetista, o que é da entrega é da entrega e o que é da obra é da obra”, diz Paulo Beghelli Caracik, exemplificando: “Classe de consistência (abatimento do concreto) não é recomendável que o projetista faça. Se fizer, induz a obra a ter problemas, pois essa é uma característica que depende de agregado, sistema de lançamento e intervalo de entrega. Se a construtora decide bombear o concreto, é um tipo de abatimento; se resolve lançar, é outro.”

Nada é mais relevante que fazer o controle tecnológico do concreto

Preparar a entrega e o recebimento, planejar a concretagem e fazer o controle tecnológico do concreto estão entre as etapas que asseguram produtividade à obra. Em suas consultorias, Caracik costuma recomendar que, para construções maiores, o mínimo recomendável é que se trabalhe com 5 caminhões-betoneira. “Enquanto um está na obra, descarregando o concreto, outro aguarda. Quanto aos outros três, um está voltando para a usina de concreto, outro está no percurso da obra e, por fim, um já vai carregando na usina”, detalha. O engenheiro complementa que a produtividade também passa pelos cuidados com a sinalização, com a área de descarregamento dentro do canteiro de obras, com a preservação da rua e com a segurança dos pedestres.

Porém, nada é mais relevante que fazer o controle tecnológico do concreto, avalia o palestrante. “A começar por protocolos básicos, como averiguar se o caminhão-betoneira transporta o concreto solicitado. Isso se dá através da verificação da nota fiscal, da integridade do lacre, o que é a garantia de que o concreto não foi mexido, e do respeito às normas técnicas ”, completa.

Acesse o link, preencha o formulário e assista a palestra

Entrevistado
Reportagem com base no web seminário “Melhores práticas de planejamento e execução da concretagem em estruturas de concreto armado”, do engenheiro civil e consultor em estruturas de concreto, Paulo Beghelli Caracik.

Contato
contato@aecweb.com.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil