Paredes de concreto: o que muda com a revisão da norma técnica?

Atualização da ABNT NBR 16055 busca adequá-la à Norma de Desempenho e atender projetos de prédios altos
13 de outubro de 2021

Paredes de concreto: o que muda com a revisão da norma técnica?

Paredes de concreto: o que muda com a revisão da norma técnica? 1024 747 Cimento Itambé
Aurora Exclusive Home, em construção em Balneário Camboriú-SC: quando concluído, será o maior prédio do Brasil com o sistema paredes de concreto Crédito: YouTube/EMBRAED Empreendimentos

Aurora Exclusive Home, em construção em Balneário Camboriú-SC: quando concluído, será o maior prédio do Brasil com o sistema paredes de concreto
Crédito: YouTube/EMBRAED Empreendimentos

A ABNT NBR 16055 (Parede de concreto moldada no local para a construção de edificações – Requisitos e procedimentos) está em processo de revisão. Criada em 2012, a norma técnica interage diretamente com a ABNT NBR 6118 (Projeto de estruturas de concreto – Procedimento) e com a recentemente publicada ABNT NBR 16868 (Alvenaria Estrutural). Além disso, sua atualização se tornou necessária por duas razões: adequar-se à Norma de Desempenho (ABNT NBR 15575) e definir parâmetros tecnológicos para atender prédios altos. 

Edificações com paredes de concreto que ultrapassam os 20 pavimentos começaram a proliferar no Brasil desde 2015. Atualmente, os dois maiores prédios construídos com a tecnologia estão em Minas Gerais. Em Ipatinga-MG, foi construído o Iguaçu Nobre, com 25 pavimentos e 73 metros de altura. Já em Governador Valadares-MG está em execução o Ibituruna Tower, com 28 pavimentos e 83 metros de altura. Até 2023, ambos serão superados pelo Aurora Exclusive Home, em Balneário Camboriú-SC, projetado para alcançar 50 pavimentos e 160 metros de altura. 

Segundo o engenheiro civil Marcelo Rios, que representa a ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) na comissão revisora da ABNT NBR 16055, uma das prioridades da revisão da norma é exatamente mostrar que a tecnologia não se limita a projetos de pequenos prédios. “Existia o mito de que paredes de concreto só serviam para projetos de edifícios com até 5 pavimentos. A revisão da norma desmistifica isso, deixando claro que a tecnologia atende qualquer número de pavimentos”, esclarece. 

Projetos para prédios altos devem ter paredes com telas duplas e usar concreto autoadensável 

Ibituruna Tower, em construção na cidade de Governador Valadares-MG: por enquanto, o edifício mais alto do Brasil com a tecnologia de paredes de concreto Crédito: WR Construtora e Incorporadora

Ibituruna Tower, em construção na cidade de Governador Valadares-MG: por enquanto, o edifício mais alto do Brasil com a tecnologia de paredes de concreto
Crédito: WR Construtora e Incorporadora

O engenheiro civil Rubens Monge Silveira, que coordena o grupo sobre paredes de concreto da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), e que também atua na revisão da ABNT NBR 16055, explica o que muda na tecnologia quando a proposta é construir até 15 pavimentos e acima de 15 pavimentos. “Os edifícios altos utilizam a mesma técnica construtiva utilizada para os edifícios baixos. Entretanto, uma das diferenças é que, nos edifícios altos, utilizam-se telas duplas no lugar de uma única tela na parede. Isso, a partir de projetos com mais de 15 pavimentos”, relata. 

A revisão da norma para paredes de concreto também vai recomendar que o concreto autoadensável é o ideal para projetos que utilizem o sistema construtivo. O engenheiro Luís Alberto Borin, representante da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc) no grupo que revisa a ABNT NBR 16055, comenta que a norma não tem como obrigar o uso de concreto autoadensável para o preenchimento das fôrmas para paredes de concreto, mas afirma que suas características são as mais compatíveis com a tecnologia. Quanto ao tipo de Cimento Portland mais adequado para a produção do concreto que vai preencher as fôrmas, Luís Borin destaca o CP V-ARI, por ter alta resistência inicial e propiciar desforma rápida. 

Existe a expectativa de que o texto revisado da ABNT NBR 16055 entre em consulta pública até o final de 2021. 

Acompanhe as alterações na ABNT NBR 16055, de acordo com ABCP e Abesc

Veja o que muda na ABNT NBR 16055, sob o ponto de vista da ABECE

Entrevistado
Reportagem com base nas palestras online sobre a revisão da ABNT NBR 16055, promovidas pela ABCP, Abesc e ABECE 

Contatos
dcc@abcp.org.br
abece@abece.com.br 

Jornalista responsável:
Altair Santos MTB 2330

13 de outubro de 2021

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil