Nova versão da norma de fundações valoriza o concreto

    Revisão alinha a ABNT NBR 6122 com a ABNT NBR 6118 e a ABNT NBR 14931, para valorizar boas técnicas da engenharia
    29 de maio de 2019
    Revisão da ABNT NBR 6122

    Revisão da ABNT NBR 6122 define especificações do concreto que deve ser utilizado nas fundações. Crédito: Divulgação

    A expectativa é de que a nova versão da ABNT NBR 6122 – Projeto e execução de fundações – seja publicada no começo do segundo semestre de 2019. A norma técnica passou recentemente por um processo de atualização e o novo texto, em breve, deve ser submetido a consulta pública. A revisão busca alinhar a norma de fundações às normas referenciais das estruturas de concreto, que são ABNT NBR 6118 – Estruturas de concreto armado – Procedimento; ABNT NBR 14931 – Execução de estruturas de concreto, e ABNT NBR 12655 – Concreto de Cimento Portland – Preparo, controle e recebimento.

    É a segunda vez que a ABNT NBR 6122 passa por um processo de revisão. Lançada em 1996, foi revista em 2010 e, desde 2016, entrou novamente em fase de aperfeiçoamento. Desta vez, a coordenação está sob a responsabilidade do engenheiro civil Frederico Falconi, que é ligado à ABMS (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica). Em palestras no Instituto de Engenharia e na ABEG (Associação Brasileira de Empresas de Projeto e Consultoria em Engenharia Geotécnica) o coordenador destacou que o novo texto busca adequá-la às novas tecnologias do concreto. Por isso, a nova versão da norma sugere o uso de concreto autoadensável para fundações em hélice contínua.

    Falconi explica as razões da mudança: “Concreto para fundação deve ter trabalhabilidade, não pode ter segregação, tem que ser coeso e possuir bastante massa. O concreto é vital como componente das fundações. Por isso, a norma sugere que o concreto adequado para fundações tenha as seguintes especificações: fck maior que 20 MPa, atendendo as normas 5738 (corpos de prova) e 12655 (Concreto de Cimento Portland – Preparo, controle e recebimento), e autoadensável com classificação SF2, de acordo com a norma 15823 (concreto autoadensável).”

    Norma adota importantes ressalvas quanto à segurança no uso de tubulões

    A norma também busca limitar o uso de tubulões, ao adotar importantes ressalvas quanto à segurança. Na revisão de 2010 já foram impostas algumas limitações, mas na nova versão decidiu-se que as NRs 18, 33 e 35 devem ser rigorosamente cumpridas. Elas tratam de espaço confinado, trabalho em altura e uso de equipamentos de proteção individual (EPI).

    A nova ABNT NBR 6118 ainda propõe os seguintes avanços:

    • Melhor definição das cargas envolvidas nas estruturas.
    • Correção do dimensionamento do atrito negativo.
    • Revisão dos critérios de cálculo para estaca escavada e estaca hélice contínua.
    • Adesão às novas tecnologias e soluções para projetos de fundações.

    O comitê responsável pela revisão da norma realizou 31 reuniões entre outubro de 2016 e março de 2019, quando foi entregue o texto. Agora, a redação da NBR 6122 está em revisão e adaptação de acordo com as exigências da ABNT. Finalizadas as adequações do texto, haverá um prazo de 60 dias para a aprovação da versão e de mais 60 dias para que fique em consulta pública, antes de ser definitivamente publicada. “Acredito que a comunidade técnica deve ficar mais tranquila com essa nova versão, pois a revisão não foi genérica, mas abrangente e bastante discutida”, diz Frederico Falconi.

    Entrevistado
    Reportagem com base nas palestras do coordenador da revisão da ABNT NBR 6122, engenheiro civil Frederico Falconi, no Instituto de Engenharia e na Associação Brasileira de Empresas de Projeto e Consultoria em Engenharia Geotécnica (ABEG)

    Contato

    abms@abms.com.br
    site@iengenharia.org.br

    Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
    VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

    MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

    Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil