Em 2021, varejo da construção irá consolidar inovações de 2020

Fórum internacional vê click&collect, drive thru e do it yourself em viés de alta entre os consumidores
24 de novembro de 2020

Em 2021, varejo da construção irá consolidar inovações de 2020

Em 2021, varejo da construção irá consolidar inovações de 2020 1024 768 Cimento Itambé
Drive thru e click&collect são as duas modalidades de compra no varejo que vêm sustentando as vendas de materiais de construção na Europa Crédito: Banco de Imagens

Drive thru e click&collect são as duas modalidades de compra no varejo que vêm sustentando as vendas de materiais de construção na Europa
Crédito: Banco de Imagens

Fórum internacional promovido pela Rede MATCON, que envolve líderes da cadeia do varejo de materiais, máquinas e equipamentos do setor da construção civil, mostra quais as tendências para o setor em 2021. Processos iniciados em 2020, por causa da pandemia de COVID-19, tendem a se consolidar no próximo ano, estimam os analistas. Não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Para o secretário-geral da EDRA-GHIN (European DIY Retail Association [associação de varejistas europeus do faça você mesmo] e Global Home Improvement Network [rede global de reformas residenciais]), John W. Herbert, inovações como o click&collect (clique&busque) e o drive thru  vieram para ficar no varejo da construção.

O do it yourself (faça você mesmo) – no Brasil conhecido como bricolagem – também seguirá em viés de alta, avalia o executivo britânico. “A pandemia levou as pessoas a ficarem mais tempo em casa e as pequenas reformas as atraiu. Pintura, troca de revestimento em uma parede ou piso, aplicação de papel de parede, instalação de prateleiras, enfim, o faça você mesmo cresceu consideravelmente e tende a fazer parte da rotina do consumidor. Também observamos que o click&collect tem atraído os jovens, ou seja, eles gostaram da ideia de escolher o produto na plataforma digital da loja e ir buscar no endereço físico. Por outro lado, os adultos e os idosos têm usado mais o drive thru. Eles utilizam o telefone ou o WhatsApp e vão de carro pegar a mercadoria no setor de entrega da loja”, revela John W. Herbert.

O executivo mostrou que redes do varejo da construção filiadas ao EDRA-GHIN, e que já tinham essas modalidades de venda em seus portfólios, têm se saído melhor na pandemia. Na Alemanha, venderam 16% a mais entre março e outubro; na França, 23%; no Reino Unido, 18,9%; na Itália, 12%; na Espanha, 20%; em Portugal, 12%; na Áustria, 15%; na Suíça, 16%; nos países escandinavos (Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia, Ilhas Faroé e Islândia), 18%; na Polônia, 6%; na Romênia, 12%; nos Estados Unidos, 25%; no Brasil, 30%, e na Austrália, 22%. Atualmente, a EDRA-GHIN reúne 214 empresas de home centers, as quais têm 32 mil lojas espalhadas em 74 países e movimentam 320 bilhões de euros por ano.

Varejo digital exige capacitação de quem atua no comércio de material de construção

Os participantes do fórum concluíram que os home centers de materiais de construção tendem a se tornar centros logísticos de entrega de pedido. “O consumidor fará sua compra online, a qualquer hora do dia, e passará na loja física para retirar, com hora marcada”, entende John W. Herbert. Os debatedores brasileiros que participaram do encontro concordam com as análises do secretário-geral da EDRA-GHIN, mas avaliam que o país precisará tomar medidas regulatórias para estimular esses novos processos. “Precisamos adequar nosso ambiente regulatório para esse tipo de evolução”, diz Rodrigo Navarro, presidente da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção).

O dirigente também entende que a internet não apenas está transformando as práticas do varejo como tem forçado a requalificação da mão de obra que atua no setor. “O varejo digital exige capacitação e existe uma série de cursos gratuitos na internet. Isso é muito importante não apenas para o colaborador, mas para o dono do comércio de material de construção. Então, para alcançar resultados positivos na venda digital, capacitação é a senha”, afirma. Para Geraldo Defalco, presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção) a preparação do varejo da construção é importante, principalmente nesse período de transição. “As novas gerações estão vindo aí. E elas vão consumir muito mais via smartphone do que na loja física. Significa que precisamos nos preparar para as mudanças que estão em curso”, completa.

Assista ao vídeo do Fórum Internacional MATCON

Veja o vídeo Cenário MATCON

Entrevistado
Reportagem com base nos fóruns virtuais promovidos pela rede MATCON, em parceria com Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) e Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais de Construção)

Contatos
abramat@abramat.org.br
imprensa@anamaco.com.br
info@edra-ghin.org

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil