Construção de estádios completa 10 anos de crescimento

NRG Stadium, em Houston-Texas: inaugurado em 2016, é considerado atualmente o mais moderno estádio do mundo. 
Crédito: Populous

Construção de estádios completa 10 anos de crescimento

Construção de estádios completa 10 anos de crescimento 1024 751 Cimento Itambé

Além dos países-sede de eventos esportivos, como Copa do Mundo e jogos olímpicos, Estados Unidos lideram em investimento para esse tipo de obra

NRG Stadium, em Houston-Texas: inaugurado em 2016, é considerado atualmente o mais moderno estádio do mundo. 
Crédito: Populous

NRG Stadium, em Houston-Texas: inaugurado em 2016, é considerado atualmente o mais moderno estádio do mundo. 
Crédito: Populous

Desde 2008, a construção de estádios tem sido um importante indutor da construção civil pelo mundo. Começou com as obras para a Copa de 2010, na África do Sul, quando a Fifa impôs regras novas que dificultavam a reforma de antigas estruturas e estimulavam a construção de novas praças esportivas, e seguirá em ritmo intenso até mesmo após a Copa 2018, na Rússia.

Além das obras nos países-sede de mundiais de futebol e olimpíadas, a indústria da construção tornou-se ativa também em apresentar soluções para construir e reformar estádios de clubes, assim como ginásios e autódromos. Só nos Estados Unidos, por exemplo, estão programados investimentos na ordem de US$ 15,5 bilhões entre 2018 e 2021.

A onda de reformas nos EUA começou em 2015. Crescendo em 2016 e aumentando ainda mais em 2017. Nestes três anos, foram investidos US$ 17 bilhões em novas instalações esportivas no país. Além de projetos para clubes da Major League Beiseboll (MLB) e da National Football League (NFL [futebol americano]), cresce também o investimento em estádios para clubes da MLS (Major League Soccer) – como é chamado o futebol nos Estados Unidos. 

Segundo Bruce Miller, arquiteto do escritório Populous, especializado em projetos para estádios, “o mercado de instalações para futebol nos Estados Unidos está em paralelo com a tendência global de equipes que fazem investimentos significativos em estádios melhores”. 

Estruturas esportivas tendem a ficar cada vez mais baratas

Outra razão para esse crescimento, segundo o arquiteto, é por que os estádios de futebol tendem a custar menos para construir do que os estádios da MLB ou da NFL, que requerem projetos arquitetônicos mais elaborados e voltados a um público diferenciado.

Um exemplo é o estádio do Los Angeles FC, com construção avaliada em US$ 350 milhões contra US$ 1,1 bilhão do estádio do Texas Globe Life Field – um dos times mais tradicionais do beisebol norte-americano – e US$ 2,6 bilhões do Los Angeles Rams and Chargers, da NFL.

Curiosamente, os Estados Unidos investem mais em estádios que os países-sede de Copas do Mundo e jogos olímpicos. Para a Copa de 2006, a Alemanha investiu US$ 6 bilhões. Em 2010, a África do Sul gastou US$ 8 bilhões. O Brasil, em 2014, gastou US$ 3,5 bilhões. Já para os jogos olímpicos de 2016 foram gastos US$ 3,06 bilhões só com as instalações esportivas. Na Rússia, os investimentos em estádios devem chegar a US$ 11 bilhões.

Para o arquiteto Bruce Miller, que atuou no projeto da Arena das Dunas, em Natal-RN, a tecnologia agregada à construção civil tende a reduzir os custos dos estádios a cada novo projeto. “A construção industrializada, as estruturas mistas e as certificações para construções sustentáveis estão transformando a maneira de se construir estádios, e para melhor”, avalia o especialista, assegurando que hoje já é possível ser menos oneroso erguer uma nova estrutura esportiva do que reformá-la.

Essa tese se confirma em números. Até 2021, serão inaugurados 11 estádios nos Estados Unidos e 9 na Europa.

Entrevistado
Bruce Miller, arquiteto-sênior do escritório Populous, com especialidade em construção de estádios (via assessoria de imprensa)
Contato: media@populous.com

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA
Geral
Comprovado: pavimento de concreto emite menos CO2

O Banco Mundial aponta que existem quase 45 milhões de quilômetros de rodovias pavimentadas no planeta – a maioria em asfalto. Isso levou o Centro de Sustentabilidade do Concreto do MIT (do inglês, Concrete Sustainability Hub [CSHub]) a medir o impacto ambiental causado pelo tráfego constante dos veículos sobre as estradas. A conclusão do trabalho no Massachusetts Institute of Technology (MIT) revela porque o pavimento […]

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil

Share via
Copy link
Powered by Social Snap