Com pavimento rígido, Rapidão de Floripa está atrasado

    3 de janeiro de 2018

    Importante projeto de mobilidade urbana para a capital de Santa Catarina aguarda novo consórcio para que obras sejam retomadas

    Projeção mostra vias exclusivas para a circulação do Rapidão, em Florianópolis.

    Projeção mostra vias exclusivas para a circulação do Rapidão, em Florianópolis.

    Os problemas de mobilidade urbana em Florianópolis-SC são conhecidos. Pesquisa da Universidade de Brasília (UnB), em 2015, mostrou que a metrópole catarinense tem o pior sistema viário entre as 27 capitais brasileiras. Por isso, a prefeitura da capital de Santa Catarina lançou um ousado projeto de BRT (Bus Rapid Transit) de 17 quilômetros ao longo do chamado anel central da ilha. O plano foi apresentado primeiramente em 2011 e prevê três vias interligadas: centro-UFSC, centro-continente e centro-aeroporto. Batizado de Rapidão, o sistema vai circular sobre pavimento de concreto.

    Em função das características do solo de Florianópolis, e por causa dos cruzamentos com vias em pavimento flexível (asfalto), a tecnologia empregada na maior parte do trajeto será o de concreto com barras de transferência. Isso proporciona risco menor de rupturas nas faixas de transição. Em alguns trechos também serão usados pavimentos rígidos estruturalmente armados. As variáveis levaram o consórcio vencedor a pedir um aditivo de R$ 3,2 milhões para readequar o projeto, o que fez com que a prefeitura de Florianópolis rompesse o contrato de comum acordo.

    Alguns trechos do BRT de Florianópolis receberão pavimento de concreto armado.

    Alguns trechos do BRT de Florianópolis receberão pavimento de concreto armado.

    O investimento total para a construção do Rapidão é de R$ 162 milhões. Com a decisão da prefeitura, o cronograma, que já estava atrasado, vai demorar ainda mais para ser concluído. Até agora, dos 17 quilômetros, apenas 300 metros foram executados. Eles estão próximos à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).  Outros 200 metros, perto do trevo Dona Benta, estão parcialmente concluídos. Com a saída do consórcio, as obras foram desativadas no final de 2017 e devem ser retomadas no primeiro trimestre de 2018, quando for definido o novo grupo responsável pela execução do empreendimento.

    Plano nasceu na UFSC

    A prefeitura de Florianópolis não abre mão do pavimento rígido com comprovada duração mínima de 20 anos sem precisar de manutenção. Fora essa convicção, o projeto do Rapidão já sofreu alterações que incluem o trajeto, o modelo das plataformas de embarque e desembarque e o sistema de semáforos sincronizados que permitirá ao BRT ter a preferência no tráfego.  Lançado em 2011, o Rapidão era para ter sido entregue à população de Florianópolis no final de 2017. Agora, as previsões mais otimistas estendem a inauguração para 2020.

    Mapa revela trajeto a ser percorrido pelo BRT na Ilha de Florianópolis, ao longo de 17 quilômetros.

    Mapa revela trajeto a ser percorrido pelo BRT na Ilha de Florianópolis, ao longo de 17 quilômetros.

    O projeto do BRT de Florianópolis nasceu de um plano desenvolvido no departamento de engenharia civil da UFSC, chamado de PLAMUS (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis). O objetivo é interligar os 13 municípios que compõem a região metropolitana da capital catarinense, através de vias exclusivas para ônibus. O PLAMUS abrange 57 quilômetros, incluindo a urbanização da BR-101, que hoje cruza a parte continental de Florianópolis. Também engloba um sistema inteligente de controle do tráfego de veículos nas principais avenidas da cidade. Antes, porém, é preciso viabilizar a conclusão do Rapidão.

    Entrevistados
    Prefeitura de Florianópolis
    (via assessoria de imprensa)
    Departamento de engenharia civil da UFSC
    (via assessoria de imprensa)

    Contato
    ascom@pmf.sc.gov.br
    ecv@contato.ufsc.br

    Crédito Fotos: Prefeitura de Florianópolis

    Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
    VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

    MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

    Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil