Agronegócio impulsiona obras de infraestrutura no Paraná

Estado viabiliza projetos de pontes, entroncamentos rodoviários, rodovias, aeroportos e hidrelétricas
19 de agosto de 2020

Agronegócio impulsiona obras de infraestrutura no Paraná

Agronegócio impulsiona obras de infraestrutura no Paraná 1024 683 Cimento Itambé

A produção de grãos do Brasil bateu novo recorde na safra 2019/2020, atingindo 253,7 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O Paraná contribuiu fortemente para essa nova marca e, com o impulso do agronegócio, o interior do estado se transforma em canteiro para obras de infraestrutura. Os projetos realizados nas regiões Sul, Sudoeste e Oeste incluem pontes, uma rodovia, um aeroporto e uma usina hidrelétrica: a PCH Bela Vista, com capacidade para gerar 29 MW.

Nova ponte sobre o rio Iguaçu, em União da Vitória: Paraná é um dos estados com maior volume de obras, apesar da pandemia
 Crédito: AEN

Nova ponte sobre o rio Iguaçu, em União da Vitória: Paraná é um dos estados com maior volume de obras, apesar da pandemia

Crédito: AEN

No segmento rodoviário, acontece a pavimentação da PR-912, entre Palmas e  Coronel Domingos Soares, em um trecho de 27,1 quilômetros. Em União da Vitória, está em construção a quarta ponte sobre o rio Iguaçu, com 492,8 m de comprimento e 13 m de largura. Em Foz, avança a Ponte da Integração – nova conexão com o Paraguai. Já em Cascavel, foi autorizado o início das obras do novo Trevo Cataratas, que une as BRs 277, 369 e 467, e avança a execução do novo aeroporto da cidade.

Trevo Cataratas, em Cascavel: entroncamento de 3 rodovias federais que escoam a safra de grãos do Paraná 
Crédito: AEN

Trevo Cataratas, em Cascavel: entroncamento de 3 rodovias federais que escoam a safra de grãos do Paraná

Crédito: AEN

O novo Trevo Cataratas vai contar com a construção de dois viadutos. O entroncamento é um dos maiores gargalos rodoviários do Paraná e as passagens em nível vão facilitar o fluxo de cerca de 45 mil veículos que circulam pelo local diariamente. A obra, orçada em 80 milhões de reais, integra um pacote de projetos que começaram a ser executados com recursos do acordo de leniência de 400 milhões de reais, firmado em 2019 entre a Ecorodovias S.A. e a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal.

A liberação ambiental para a construção do novo trevo saiu em 20 dias, por causa da solução de engenharia que será feita na obra para preservar o rio Cascavel – afluente do rio Iguaçu -, que passa embaixo do complexo rodoviário. O rio abastece 70% da população cascavelense e serão construídas bacias de contenção subterrâneas. No caso de um acidente ambiental, os reservatórios de concreto terão suporte técnico para armazenar até 400 mil litros de efluentes derramados na pista, sem contaminar o rio.

Grande volume de concreto no aeroporto de Cascavel e na Ponte da Integração, em Foz

Aeroporto de Cascavel: principal cidade do oeste paranaense está prestes a ganhar novo terminal aéreo Crédito: AEN

Aeroporto de Cascavel: principal cidade do oeste paranaense está prestes a ganhar novo terminal aéreo
Crédito: AEN

Também em Cascavel, destaca-se a construção do novo terminal aéreo, que terá um pátio de estacionamento de aeronaves todo em concreto, com 34,5 centímetros de espessura. Outra obra com grande volume de concreto é a Ponte da Integração. Do lado brasileiro, a estrutura estima consumir 17 mil m3. O material é fornecido pela empresa Minero Mix, de Foz do Iguaçu, que utiliza Cimento Itambé . O canteiro de obras envolve mais de 500 trabalhadores e atua 24 horas por dia. Já foram executados 30% do projeto. O lado paraguaio tem ritmo mais lento e ainda finaliza a terraplanagem, mas as obras serão aceleradas com o fim dos empecilhos aduaneiros. A previsão é que a nova ponte seja inaugurada em 2022.

 

Ponte da Integração: nova ligação entre Brasil e Paraguai avança no lado de Foz do Iguaçu, consumindo 17 mil m3 de concreto
 Crédito: AEN

Ponte da Integração: nova ligação entre Brasil e Paraguai avança no lado de Foz do Iguaçu, consumindo 17 mil m3 de concreto

Crédito: AEN

Além disso, em 2021 serão licitados 4,1 mil quilômetros de rodovias no estado. O programa será um dos maiores do país. Incorpora 1,6 mil quilômetros de estradas federais e estaduais aos 2,5 mil quilômetros que já fazem parte do Anel de Integração do Paraná. A expectativa é que as novas concessões sejam leiloadas a partir de novembro de 2021, quando vencem os contratos assinados nos anos 1990. O ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, vê o estado como modelo. “O Paraná é uma potência, produz muito, tem um Produto Interno Bruto maior que o do Uruguai e os projetos devem atrair muitos investidores”, prevê.

Entrevistado
Ministério da Infraestrutura e secretaria de Infraestrutura e Logística do Paraná (via assessoria de imprensa) 

Contato
aescom@infraestrutura.gov.br
seil@seil.pr.gov.br

Jornalista Altair Santos

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil